Monthly Archives: novembro 2011

Aprendendo a viver

novembro 18, 2011

O filme Ponto Final foi destaque no Jornal de Florianópolis Imagem da Ilha.

Trecho da matéria abaixo:

“Quando nossa vida é abalada com a morte de uma pessoa querida, precisamos unir forças para prosseguir nosso caminho. É com a ajuda do outro que conseguimos muitas vezes suportar a dor, recebendo conforto e novas alegrias. O filme “Ponto Final”, do diretor e produtor Marcelo Taranto, que estreia no final deste mês em Florianópolis, no Paradigma Cine Arte, mostra que através do “coletivo” nossas vidas podem mostrar o seu real valor e podemos descobrir o que em nós mesmos estava guardado…” Leia o Texto Completo

Leia Mais

Ponto Final: do não-lugar ao lugar

novembro 16, 2011

Maria C. Monteiro
Professora Titular de Literaturas de Língua Inglesa – UERJ.

O filme é constituído por uma cadeia de cenas decorridas, na sua maioria, no ônibus ou no terminal da linha rodoviária. O ponto final torna-se ponto de encontro, de chegadas e partidas, de buscas. O coletivo leva uns passageiros aos seus destinos, outros a lugar nenhum. As várias narrativas convergem para uma espécie de espaço trágico situado numa dimensão mais ampla, o Estado, pensado como agente de opressão e controle, sempre destacado nas vozes do motorista e do cobrador. Entretanto, apesar de o filme ser permeado de comentários de cunho político e social relativos ao Brasil de hoje, essa circunstância importa menos do que a universalidade das questões humanas nele dramatizadas, em tramas onde ganham relevo perdas, abandonos, procuras, no meio do difuso nonsense geral das coisas.
A história encena as vidas de duas personagens principais, impecavelmente criadas respectivamente por Roberto Bomtempo e Hermila Guedes. Ele, Davi, acaba de tornar-se “órfão” da filha, vítima de uma bala perdida. Ela, uma prostituta, sem nome, faz das viagens de ônibus ocasião para tristes demandas, seus clientes, é claro, mas também, e sobretudo, respostas para suas inquietações interiores, seu desconforto íntimo, tão intenso quanto vago. Com isso, o “não-lugar” das ações (o ônibus), como que abstratizado, torna-se um lugar onde se enlaçam três perspectivas de percepção da existência, tensas e contraditórias, porém intercomplementares: a do motorista, a de Davi, a da prostituta.
As cenas da história se desenvolvem na noite, quando os diálogos se abrem a uma certa intimidade, promovendo relações súbitas e impressentidas, entre presente e passado, encontros e desencontros, escolhas e desistências, tudo referenciado a uma busca obstinada pelo sentido dos gestos e ações do dia a dia.
As tomadas valorizam cor e espaço, sublinhando a significação dos episódios. Assim, por exemplo, a neblina, os ambientes sombrios materializam o vazio, que deixa de ser um tema abstrato, para integrar-se à trama, à maneira de uma suplementação sensorial. Mas, nessa atmosfera por assim dizer cinzenta, ganha relevo, por contraste, o tom vermelho, símbolo universal das paixões incendiárias: e há figurações poéticas de corpos e desejos, obstruídos porém pelo desconhecimento próprio e mútuo, que acaba impondo um derradeiro silêncio, a inviabilizar as relações: “uma chave na fechadura da porta, sustentando todas as outras, presas, inutilmente, no mesmo chaveiro”, diz um personagem, que no entanto atira a chave ao mar, em atitude libertária que desencadeia ventos e luzes, outras possibilidades enfim, onde o ponto final, como é próprio da virtude dos círculos, coincide com o ponto do começo.
Assinale-se ainda que o filme, na especificidade do seu método narrativo, procede por intermitência de cenas, situadas ora no passado ora no presente narrados, não por um encadeamento destinado a apreensão lógica e imediata, mas de modo um tanto tumultuário e nebuloso, lembrando portanto o ritmo dos relatos oníricos.
Trata-se, para dizer numa palavra, de um filme cuja complexidade temática e estrutural não há de deixar indiferentes os espectadores; como as obras de arte que fazem jus ao título, a par da beleza plástica da concepção, um filme, em síntese, que faz pensar.

Maria C. Monteiro
Professora Titular de Literaturas de Língua Inglesa – UERJ.
Autora de Sombra Errante: a preceptora na narrativa inglesa do século XIX (2000); Na aurora da modernidade: a ascensão dos romances gótico e cortês na literatura inglesa (2004); Leituras contemporâneas – interseções nas literaturas de língua inglesa (2009).

Leia Mais

novembro 10, 2011

Crítica de Thais Nepomuceno do site  Infoco News

“O longa de Marcelo Taranto, faz uma reflexão através de um pai (Roberto Bomtempo) após a perda de sua filha (em uma fatalidade). Ele perambula pela cidade, em ônibus; onde conhece uma passageira – muito acostumada com o ambiente móvel – e é aí que começam as reflexões a respeito da vida em paralelo com a situação passageiro versus vida…” Leia o texto completo

Leia Mais

Ponto Final em Nota do Rio Show

novembro 3, 2011

Ponto Final saiu ontem no Caderno Rio Show – O Bonequinho Viu…

Leia Mais

Curta um Bom Filme com Cine Joia

novembro 3, 2011

Se você estava esperando uma chance para conseguir um ingresso para o filme “Ponto Final”…

Esse é o momento!

A Pipa Distribuidora sorteará ingressos para quem participar da promoção em sua Fan Page no Facebook

Mas se você quer aumentar suas chances acompanhe o Facebook e o Twiter da rádio Oi FM que sortearão 10 entradas com direito a acompanhante para essa próxima semana no Cine Jóia.

Leia Mais